5 vantagens da Realidade Aumentada no Turismo

A Realidade Aumentada (RA) já não é uma tendência futurista – é uma tecnologia com provas dadas que está a revolucionar a forma como interagimos com o que nos rodeia. Ao contrário da Realidade Virtual, que substitui o mundo real por conteúdos digitais e que implica vários componentes de hardware e software, a Realidade Aumentada combina elementos reais com virtuais e pode ser vivida com uma app instalada num simples smartphone, tablet ou através de óculos especiais. Entre muitas áreas onde representa uma clara mais-valia, a Realidade Aumentada no Turismo é especialmente atrativa para melhorar o envolvimento dos visitantes, torná-los verdadeiros embaixadores (partilhando, recomendando e regressando) e ser um polo diferenciador face a outros locais.

Numa altura em que o turismo ganha um dinamismo notável, e em que a oferta é cada vez maior e mais exigente, os concelhos com melhores resultados serão aqueles que consigam elevar a fasquia e transformar uma visita numa experiência extraordinária. A tecnologia de RA permite isso e muito mais.

Neste artigo, destacamos 5 vantagens da Realidade Aumentada no Turismo:

  1. Passado, presente e futuro unidos: com a Realidade Aumentada, a história ganha vida permitindo a valorização do passado, da cultura e do património através da sua compreensão de forma mais visual e apelativa. Imagine os visitantes a chegarem a um ponto turístico de interesse histórico no seu concelho e não terem de se cingir ao que os olhos veem, apontam o smartphone e obtêm a representação gráfica de um monumento atualmente em ruínas, a simulação de uma batalha e a história por trás de tudo isso. Existe uma zona com pegadas de dinossauros? E se os visitantes vissem no ecrã o dinossauro ali mesmo ao lado e num instante entrassem numa nova época?
  2. Visitas fora de horas: a Realidade Aumentada permite visitas a locais fechados ou impossíveis de aceder pela sua natureza. Apontando para o ponto turístico, a app pode mostrar o seu “raio-X”, revelando o seu interior e facultando informações sobre a arquitetura ou as peças existentes.
  3. Digital sem fronteiras: todos os elementos da Realidade Aumentada podem ser acrescentados digitalmente, enriquecendo a visita sem necessidade de transformar fisicamente o espaço. Por outro lado, os concelhos aproximam-se e interagem mais com os visitantes, pois tipicamente estas experiências estão à distância de um dispositivo móvel que já possuem e estão habituados a utilizar. Existe uma comodidade total, um serviço sem curva de aprendizagem, sempre disponível, e uma experiência intuitiva, e ao mesmo tempo marcante e memorável.
  4. Mais visitantes: ao proporcionar experiências culturais inovadoras com Realidade Aumentada, os municípios ganham novos argumentos e aliados de peso para atrair mais visitantes e públicos mais diferenciados. Desde as camadas jovens ávidas de novas tecnologias até aos turistas estrangeiros que passam a ter acesso em qualquer altura e lugar a informações na sua própria língua, todos os visitantes podem encontrar nas aplicações de Realidade Aumentada valias que enriquecem a visita física ao local.
  5. Mais e melhor conteúdo: as equipas de desenvolvimento de Realidade Aumentada podem incluir praticamente todo o tipo de conteúdo digital nas apps, representando uma oportunidade única de storytelling com guias turísticos aumentados que podem acrescentar todo o contexto às peças em exposição ou monumentos espalhados pelo concelho. Desde a criação de um holograma de um soldado que acompanha o visitante ao longo da sua estadia até vídeos específicos, passando por infografias explicativas, animações e conteúdos 3D e possibilidade de partilha direta nas redes sociais (aumentando notavelmente o seu alcance e podendo tornar-se viral), não há limite para o que pode ser disponibilizado numa app.

Em Portugal, já existem bons e variados exemplos de como o turismo está a explorar o poder da Realidade Aumentada para oferecer valor adicional aos visitantes. É o caso do Museu Francisco Tavares Proença Júnior, do Museu das Comunicações ou do Museu Municipal da Guarda, onde através de uma app é possível aceder a guias virtuais ou a demonstrações gráficas de peças no passado.

A valorização socioeconómica do concelho é um desafio constante e está intimamente relacionada com a capacidade de inovar e investir em eixos estratégicos, assumindo o turismo um papel cada vez mais essencial e gerador de receitas. A Realidade Aumentada pode ser uma preciosa alavanca e nunca foi tão fácil, rápido e competitivo avançar com um projeto desta natureza. Para tal, vale a pena conhecer a nossa App VisitAR, vencedora do Santa Casa Challenge na área da Cultura e Património, e que materializa todas as vantagens da Realidade Aumentada no Turismo. Para vê-la em ação, fale connosco e agende uma demonstração.